Resenha: Muito amor, por favor


Nome do Livro: Muito amor, por favor
Nome dos Autores: Frederico Elboni, Matheus Rocha, Arthur Aguiar e Ique Carvalho
Editora: Sextante
Ano da Edição: 2016
Número de Páginas: 240
Nota: ⭐⭐⭐ 
Sinopse: Este livro reúne textos que mostram o amor do ponto de vista de quatro jovens que escrevem sobre relacionamentos legítimos e atuais, que souberam se reinventar. Sem medo de expressar seus sentimentos, deixam para trás estereótipos já obsoletos – como o controlador machista ou o piegas choroso – e falam sobre viver a dois e sobre a natureza das relações em todos os seus aspectos. Assim, cada autor reflete sobre o amor representado por um elemento: Arthur Aguiar escreve que “O amor é água”, dizendo que ele é fluido, mas por vezes gelado; ora tempestade, ora profundo. Fred Elboni explica que “O amor é ar”, mostrando a leveza de se amar sem sofrer, da brisa que envolve os apaixonados, mas que por vezes torna-se furacão. Ique Carvalho se debruça sobre quando “O amor é fogo”, que arde, aquece a alma, mas que também pode incendiar até doer. E Matheus Rocha conta que “O amor é terra”, estável, tranquilo, mas que não escapa dos terremotos da vida, que tiram tudo do lugar para que a rotina não o extermine. Um livro apaixonante, para quem ama e para quem quer amar um dia... e sempre.

O amor é fogo por Ique Carvalho


"Dizem que a vida é o que acontece enquanto estamos preocupados com outra coisa." - Pàg. 67
Minha impressão dos textos do Ique: Eu sempre gostei dos textos do Ique Carvalho, mas, devo confessar, entre os quatro escritores, os textos dele foram os que menos me chamaram a atenção. Acredito que seja pelo "jeito poesia" que ele escreveu.
Ele escreve sobre o amor, na sua forma mais quente, imediata e arrasadora. 

"E se você, aí do outro lado,
estiver passando por um momento difícil,
não levará muito tempo para descobrir:
o amor pode fazer coisas que você nunca sonhou ser possível." - Pág. 26 
O amor é terra por Matheus Rocha


"Tenho pressa de amar. Pressa de viver um amor. Pressa de ser amado. Pressa de ser o amor de alguém. Mas, como já disse, o amor tem um quê de paciência. Não se preocupa com nossas ansiedades, prazos, agendas, horários e compromissos. Ele está, quase sempre, atrasado. Mas, quando chega, é como se a solidão nunca houvesse existido."- Pág. 88
 Minha impressão dos textos do Matheus: Há pouco tempo, me tornei fã de carteirinha dos textos do Matheus e passei a acompanhar seu trabalho. Ele, mais uma vez, me fez suspirar com suas palavras.
Ele fala sobre a (in)segurança do amor - como ele pode ser rocha e estar vulnerável a um terremoto e mudanças da vida - de uma maneira simples e íntima. 


"Foi amando que aprendi a escolher. Escolher ficar. Não partir. Permanecer. Escolher virar a página. Recomeçar. Recomeçar de novo. Recomeçar mais uma vez. Dar mais uma chance. Dar a última chance. Escolher o amor. Ainda que, antes de qualquer uma dessas vezes, eu escolha ser feliz." - Pág. 109
O amor é água por Arthur Aguiar 
 "Ainda não foi nessas férias que aprendi a surfar, mas foi nessas férias que aprendi que não devemos deixar de ser quem somos pra que a pessoa de que a gente gosta se interesse ou se apaixone por nós. Se for para gostar da gente, que goste exatamente da forma que a gente é!" - Pág. 148 
 Minhas impressões dos textos do Arthur: Conhecia o Arthur apenas pelo seu trabalho na TV, como cantor e ator, mas não tinha ideia de que ele gostava de escrever - fora as músicas, claro. 
Confesso que ele me surpreendeu. Não foram todos os textos que me agradaram, mas fiquei surpresa com a sua facilidade com as palavras.
Ele escreve sobre o amor na sua forma mais profunda, ora mar calmo, ora turbulento. 


"Mas não podemos querer que o tempo da outra pessoa seja o mesmo que o nosso. Podemos apenas torcer para que isso aconteça." - Pág. 180
O amor é ar por Frederico Elboni

"A gente sabe que é hora de ir embora quando, mesmo sem intenções, aquela pessoa nos tira a autoestima, nos faz perder o brilho que tínhamos nos olhos e na alma."- Pág. 214
Minhas impressões sobre os textos do Fred: Ah, sou fã do Fred desde sempre. Os textos dele sempre dizem exatamente o que estou precisando saber. Sem sombra de dúvida, essa foi a parte que mais gostei.
Ele escreve sobre o amor na sua forma mais leve, simples e rara, mas também na sua forma mais densa, destruidora e repentina. 

"O silêncio é o diálogo de que o fim precisa para acontecer."- Pág. 235
Um livro que, em algumas páginas, nos rouba suspiros, nos faz pensar e querer reler.

Comentários

  1. Olá Yasmin!
    Não conhecia esse livro, mas achei super interessante. Ultimamente tenho lido bastante esses livros de contos, ou colaborativos com vários autores.
    Gostei da indicação, colocarei na minha lista :
    Beijos!

    Books & Impressions

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou! Ele é ótimo, vale a pena!
      Beijos!
      Ps: Amei seu blog.

      Excluir

Postar um comentário